Demarcação viária: importantes aspectos atinentes ao seu desempenho retrorrefletivo e o emprego de impressão 3-D em sua dosagem

Autores

  • Deividi da Silva Pereira Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul – Brasil https://orcid.org/0000-0002-7200-7813
  • Eduardo Martins Renz Sulclean, Rio Grande do Sul – Brasil
  • Lucas Dotto Bueno Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul – Brasil https://orcid.org/0000-0001-8171-4192
  • Luciano Pivoto Specht Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul – Brasil https://orcid.org/0000-0002-8709-6273
  • Lucio Salles de Salles Universidade de Pittsburgh, Pensilvânia – Estados Unidos

DOI:

https://doi.org/10.14295/transportes.v30i1.2517

Palavras-chave:

Projeto de redes de transporte urbano, Problema de ajuste da frequência, Algoritmo genético, Transporte multiobjetivo

Resumo

A sinalização horizontal está continuamente presente no trajeto percorrido pelos usuários, o que torna fundamental que as demarcações viárias apresentem adequada retrorrefletividade. Neste contexto, o presente trabalho buscou avaliar fatores relacionados à retrorrefletividade da sinalização horizontal, mediante avaliações de campo, além do emprego de placas tridimensionais impressas para identificar o efeito da macrotextura sobre a retrorrefletividade. Os resultados obtidos indicam que a geometria do retrorrefletômetro (15 e 30m), a coloração da demarcação (branca e amarela) e a limpeza periódica da sinalização impactam significativamente na retrorrefletividade. Ainda, procurou-se buscar correlação entre desempenho da retrorrefletividade e a microtopografia do substrato (microtextura e macrotextura superficial do revestimento). Os coeficientes de correlação indicaram moderada associação entre os parâmetros supracitados e a retrorrefletividade. Para o caso especial da macrotextura, a impressão tridimensional indicou significativa relação existente entre a macrotextura e a retrorrefletividade, com valores maiores de retrorrefletividade para alturas médias de areia menores. Ficou evidenciado que a taxa ideal de aplicação de microesferas do tipo drop-on não é constante e varia em função da macrotextura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT (2013). NBR 15426: Sinalização vertical viária — Método de medição da retrorrefletividade utilizando retrorrefletômetro portátil. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Abboud, N., Bowman, L. B. (2002). Cost and Longevity Based Scheduling of Paint and Thermoplastic Striping. Paper presented at the 81st Annual Meeting of the Transportation Research Board, Washington, DC. Available at: https://doi.org/10.3141/1794-07

ASTM (2008). E965-15: Standard Test Method for Measuring Pavement Macrotexture Depth Using a Volumetric Technique. West Conshohocken: American Society for Testing and Materials.

ASTM (2018). E1710-18: Standard Test Method for Measurement of Retroreflective Pavement Marking Materials with CEN-Prescribed Geometry Using a Portable Retroreflectometer. West Conshohocken: American Society for Testing and Materials.

ASTM (2018). E303-93: Standard Test Method for Measuring Surface Frictional Properties Using the British Pendulum Tester. West Conshohocken: American Society for Testing and Materials.

Bernucci, L. B., Motta, L. M. G., Ceratti, J. A. P., Soares, J. B. (2010). Pavimentação Asfáltica: Formação básica para engenheiros. 3ª Reimpressão. Rio de Janeiro: PETROBRAS - ABEDA.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale, NJ, Erlbaum.

DAER – RS (2013). Instrução de serviço para estudos e projetos CREMA. Porto Alegre: Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do estado do Rio Grande do Sul.

DNER (2000). EM – 276: Tinta para sinalização horizontal rodoviária à base de resina acrílica emulsionada em água. Rio de Janeiro: Ministério dos Transportes – Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

DNIT (2006). ES – 031: Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico. Rio de Janeiro: Ministério dos Transportes – Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

DNIT (2017). Manual de Custos de Infraestrutura de Transportes. Rio de Janeiro: Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil – Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

DNIT (2018). ES – 100: Obras complementares – Segurança no tráfego rodoviário – Sinalização horizontal. Rio de Janeiro: Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil – Instituto de Pesquisas Rodoviárias.

European Standard (2018). EN 1436:2018 - Road marking materials - road marking performance for road users and test methods. European Committee for Standardization. Brussels.

FHWA. (2008) Preliminary Economics Impacts of Implementing Minimum Levels of Pavement Marking Retroreflectivity. Washington DC: U.S. Department of Transportation, Federal Highway Administration, Office of Safety.

Hummer, J. E., Rasdorf, W., Zhang, G. (2011) Linear mixed-effects models for paint-marking retroreflectivity data. Journal of Transportation Engineering, vol. 137, N. 10, p. 705 – 716. Available at: https://doi.org/10.1061/(ASCE)TE.1943-5436.0000283

Moreira, H., Menegon, R. (2003). Sinalização Horizontal. São Paulo: Editora Master Set.

Mull, D. M., Sitzabee, W. E. (2012). Paint Pavement Marking Performance Prediction Model. Journal of Transportation Engineering, vol.138, N. 5, p. 618 – 624. Available at: https://doi.org/10.1061/(ASCE)TE.1943-5436.0000360

Parker, N. A., Meja, J. S. M. (2003) Evaluation Of The Performance Of Permanent Pavement Markings. Transportation Research Record: Journal of Transportation Research Board, n. 1824, 123 – 132. Available at: https://doi.org/10.3141/1824-14

Rasdorf, W. J., Hummer, J. E., Zhang, G., Sitzabee, W. E. (2009) Pavement Marking Performance Analysis. Raleigh: North Carolina Department For Transportation, Research and Development Group.

Renz, E. M. (2018) Avaliação do comportamento da retrorrefletividade de pintura de demarcação viária em micro revestimento asfáltico a frio. Dissertação de Mestrado. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.

Salles, L. S., Pereira, D., Teixeira, D. K., Specht, L. P. (2015). Avaliação retrorrefletiva de pintura de demarcação horizontal: peculiaridades e considerações sobre a norma e os requisitos mínimos nacionais. Transportes, vol. 3, n. 3, pp. 5 – 17. Available at: https://doi.org/10.14295/transportes.v23i3.886

Salles, L. S., Pereira, D., Teixeira, D. K., Specht, L. P. (2016). Road Markings Retroreflectivity Experimental Assesment: Observations on Rainfall, Dirt, Retroreflectometer Geometry and Minimum Requirements. Paper presented at the 95st Annual Meeting of the Transportation Research Board, Washington, DC.

Schwab, M. S. F. (1999). Estudo do Desempenho dos Materiais de Demarcação Viária Retrorrefletivos. Dissertação de Mestrado. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto.

Stizabee, W. E., Hummer, J. E., Rasdorf, W. (2009). Pavement Marking Degradation Modelling and Analysis. Journal of Infraestructure Systems, Vol. 15, no. 3, 2009. P. 190 – 199. Available at: https://doi.org/10.1061/(ASCE)1076-0342(2009)15:3(190)

Thamizharasan, A., Sarasua, W. A., Clarke, D., Davis, W. J. (2003). A Methodology for Estimating the Lifecycle of Interstate Highway Pavement Marking Retroreflectivity. Paper presented at the 82st Annual Meeting of the Transportation Research Board, Washington, DC.

Downloads

Publicado

24-03-2022

Como Citar

da Silva Pereira, D. ., Martins Renz, E. ., Dotto Bueno, L. ., Pivoto Specht, L. ., & Salles de Salles, L. . (2022). Demarcação viária: importantes aspectos atinentes ao seu desempenho retrorrefletivo e o emprego de impressão 3-D em sua dosagem. TRANSPORTES, 30(1). https://doi.org/10.14295/transportes.v30i1.2517

Edição

Seção

Artigos