https://revistatransportes.org.br/anpet/issue/feed TRANSPORTES 2022-11-24T10:33:47-03:00 Mariane Petroski secretaria.transportes@anpet.org.br Open Journal Systems <p>TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é o único periódico técnico-científico nacional que publica artigos em todos os campos da Engenharia de Transportes e ciências afins. Manuscritos submetidos para publicação são analisados por especialistas de renome nacional e internacional. TRANSPORTES tem periodicidade quadrimestral e é uma publicação da Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes - <a href="http://www.anpet.org.br" target="_blank" rel="noopener">ANPET</a>, uma entidade que reúne pesquisadores, especialistas e estudantes do Brasil e do exterior.</p> <div style="background-color: yellow;"> <p>Em função das restrições e impactos da COVID-19, o atendimento aos leitores, avaliadores e, principalmente, aos autores poderá ser menos rápido que o normal. Todo o nosso corpo editorial é formado por voluntários que também estão sendo afetados pelas medidas adotadas para contenção dessa pandemia. Contamos com sua compreensão.</p> </div> https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2664 O efeito de diferentes agregações dos níveis de severidade de acidentes com pedestres em áreas urbanas 2022-10-11T12:39:23-03:00 Mateus Nogueira Silva mateus.nogueira@det.ufc.br Flávio José Craveiro Cunto flaviocunto@det.ufc.br Marcos José Timbó Lima Gomes timbo@det.ufc.br <p>A promoção de um ambiente viário mais seguro para os pedestres requer uma compreensão dos fatores de risco associados às lesões sofridas por esses usuários enquanto envolvidos em acidentes de trânsito. Os níveis de lesões registrados pelos relatórios policiais podem estar sujeitos a viés e erros, especialmente nas categorias de lesões adjacentes e não extremas. O objetivo deste estudo é investigar o impacto de diferentes configurações de classificação da severidade na identificação de fatores relacionados a acidentes envolvendo pedestres em áreas urbanas. Modelos logit multinomiais foram estimados utilizando registros de acidentes da cidade de Fortaleza entre os anos de 2017 e 2019. Os resultados indicaram que a combinação de alguns níveis de severidade pode levar a diferentes variáveis ​​significativas e, portanto, dependendo da especificação da variável de resposta, a influência de importantes fatores de risco pode acabar sendo ignorada no modelo. Entre os fatores analisados, a idade dos pedestres, o dia da semana, o horário do acidente e o tipo de via permaneceram significativos para as diferentes configurações de níveis de gravidade. Além disso, o modelo com três categorias de gravidade (leve / moderada, grave e fatal) apresentou o melhor desempenho em termos de ajuste do modelo. Observou-se nesse modelo que fatores como idade avançada dos pedestres, acidentes no período noturno, com veículos pesados, nos finais de semana e localizados em vias com maior classificação viária estão associados a lesões mais graves.</p> <p> </p> 2022-10-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Mateus Nogueira Silva, Flávio José Craveiro Cunto, Marcos José Timbó Lima Gomes https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2643 Análise do excesso de carga de veículos comerciais e seu efeito no dimensionamento de estruturas de pavimentos asfálticos 2022-10-27T15:41:09-03:00 Flaviane Melo Lopes Vallejo flavianevallejo@gmail.com Caio Rubens Santos caiorubens@maua.br Liedi Legi Bariani Bernucci liedi@usp.br Carlos Yukio Suzuki suzuki@planservi.com.br Kamilla Vasconcelos Savasini kamilla.vasconcelos@usp.br Linda Lee Ho lindalee@usp.br <p class="Resumoeabstract">A magnitude de carga permitida para o transporte rodoviário no Brasil é regida pela “lei da balança”, que permite uma tolerância, na pesagem dos veículos comerciais em seu peso bruto total e em cada eixo. Essas tolerâncias vêm sendo justificadas por possíveis desvios inerentes nos equipamentos de pesagem e pela movimentação da carga dentro do veículo. As tolerâncias de 5% no PBT e de 5% nos eixos, introduzidas na década de 80, foram modificadas para 7,5% nos eixos na década de 90 e, em julho de 2014, com base na Resolução do CONTRAN n°. 489, foram estendidas mais uma vez para 10% nos eixos. Este trabalho apresenta os resultados de uma análise de dados referentes a um período de 6 anos de pesagem de caminhões em uma balança de uma rodovia brasileira de elevado volume de tráfego, que opera 24 horas por dia, 7 dias por semana, e aponta as alterações do transporte de carga, fruto da alteração de julho de 2014. Os resultados mostram que há aumento da sobrecarga, o que evidencia o uso da tolerância pelo transportador de carga e consequências das sobrecargas no dimensionamento dos pavimentos asfálticos, ou na redução de sua vida útil.</p> 2022-10-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Flaviane Melo Lopes Vallejo, Caio Rubens Santos, Liedi Legi Bariani Bernucci, Carlos Yukio Suzuki, Kamilla Vasconcelos Savasini, Linda Lee Ho https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2704 Estabelecimento de metas de redução de mortes no trânsito nos municípios brasileiros 2022-10-25T08:54:10-03:00 Pedro Augusto Borges dos Santos pedroaugusto@ufpr.br André Victor Igarashi andre.igarashi@onsv.org.br Francisco Vieira Garonce garonce@onsv.org.br Paulo Roberto Guimarães Júnior paulo.guimaraes@sjc.sp.gov.br Jorge Tiago Bastos jtbastos@ufpr.br <p class="Resumoeabstract">O estabelecimento de metas de redução de mortes no trânsito constitui-se de uma etapa fundamental do processo de gestão da segurança viária. O Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (PNATRANS) estabelece metas de redução de mortes e lesões no trânsito, fixando reduções de 50% nos índices de mortes por 100 mil habitantes e mortes por 10 mil veículos, em um prazo de 10 anos. Porém não é abordado no documento como as metas estaduais e a meta nacional devem ser incorporadas pelos gestores dos municípios brasileiros de forma individualizada. Este trabalho tem como objetivo sugerir metas de redução de mortes no trânsito nos municípios brasileiros. A metodologia incluiu o emprego da Análise de Componentes Principais e a clusterização por <em>k-means</em> para o agrupamento de municípios segundo três categorias de indicadores referentes ao triênio 2017-2019: indicadores de resultado final, indicadores de resultado intermediário e indicadores socioeconômicos. Esse processo resultou na formação de 77 agrupamentos de municípios, baseados em 12 variáveis, para os quais a meta individual foi estabelecida por meio da aplicação do ciclo de <em>benchmarking</em>. Como resultado, foram obtidas metas de redução de mortes no trânsito para cada município brasileiro, as quais, se acumuladas, resultaram em uma meta de redução nacional de 56%, valor similar ao preconizado pela Organização Mundial da Saúde no horizonte até 2030.</p> 2022-10-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Pedro Augusto Borges dos Santos, André Victor Igarashi, Francisco Vieira Garonce, Paulo Roberto Guimarães Júnior, Jorge Tiago Bastos https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2690 Adaptação do HCM para análise de rodovias de pista simples sem faixas adicionais no Brasil 2022-11-04T08:27:23-03:00 Juliangelo Kayo Sangi de Oliveira juliangelosoliveira@gmail.com José Elievam Bessa Júnior elievamjr@gmail.com <p>O <em>Highway Capacity Manual </em>(HCM) é o principal documento utilizado para a análise do nível de serviço e da capacidade de componentes rodoviários. Todavia, a aplicação de sua metodologia sem que sejam realizadas adaptações às condições locais de tráfego e das vias e às características dos veículos e dos motoristas pode resultar em discrepâncias entre as medidas de desempenho calculadas por meio do manual e as observadas em campo. Este trabalho teve como objetivo adaptar o novo método do HCM (7ª edição) às condições das rodovias de pista simples brasileiras sem faixas adicionais. De posse de uma versão recalibrada do Aimsun Next, foram gerados resultados de simulação para segmentos hipotéticos com o intuito de ajustar modelos de tráfego para obter a densidade de veículos em pelotões (<em>FD</em>), a nova medida de serviço proposta para avaliar segmentos de rodovias de pista simples. Os resultados de <em>FD</em> encontrados com o método proposto mostraram que os modelos de tráfego do HCM necessitam de adaptações para avaliar rodovias brasileiras, evitando-se níveis de serviço subestimados em relação ao que é observado em campo.</p> 2022-11-03T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Juliangelo Kayo Sangi de Oliveira, José Elievam Bessa Júnior https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2646 Investigação laboratorial de mistura solo-agregado-cimento 2022-11-24T10:33:47-03:00 Luíza Rijo Valoura luizarijov@gmail.com Matheus Francisco da Silva matheus.francisco.silva@usp.br Ana Paula Furlan afurlan@sc.usp.br <p>O objetivo deste estudo foi avaliar os resultados de ensaios de laboratório de uma mistura solo-agregado estabilizada com cimento (SAC), a fim de recomendar seu uso como camadas de base e/ou sub-base de pavimentos. Foram avaliadas propriedades de resistência à compressão simples (RCS), resistência à tração por compressão diametral (RTCD), módulo de resiliência pelo ensaio triaxial e o módulo de resiliência diametral, sob a influência de fatores como tempo de cura (0, 7 e 28 dias), proporção de agregado:solo (80:20 e 70:30) e conteúdo de cimento (3, 5 e 7%). Além disso, foi realizado um estudo de dosagem de cimento, comparando os resultados de RCS e RTCD obtidos em laboratório com as tensões de análises mecanicistas de pavimentos hipotéticos, e testes no teor ótimo de cimento aos 3 dias de cura a fim de analisar a possibilidade de reduzir o tempo de abertura do tráfego. Os resultados mostraram que as misturas SAC apresentam comportamento mecânico satisfatório que podem reduzir o tempo de construção. Finalmente, a dosagem de cimento recomendou 5% como teor ótimo de cimento para todas as misturas testadas.</p> 2022-11-03T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Luíza Rijo Valoura, Matheus Franscisco da Silva, Ana Paula Furlan https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2725 Avaliação laboratorial da condição de aderência entre base granular e concreto asfáltico 2022-10-28T09:17:15-03:00 Renan Gustavo Scherer renangscherer@gmail.com Deividi da Silva Pereira dsp@ufsm.br Luciano Pivoto Specht luspecht@ufsm.br Lucas Dotto Bueno lucas.bueno09@gmail.com <p class="Resumoeabstract">A condição de aderência entre a base granular e o revestimento asfáltico de pavimentos é um fator que tem influência direta no cálculo de esforços, deformações e deslocamentos em seu interior, impactando, portanto, o seu dimensionamento. Este artigo tem por objetivo avaliar experimentalmente a condição de aderência entre estas camadas, por meio de ensaios que investigaram o cisalhamento da interface, verificando ainda a influência da temperatura, da tensão normal e de distintos tratamentos desta interface. Para isto, foi empregado o ensaio apresentado em Scherer <em>et al.</em> (2020), com o qual é possível avaliar a resistência ao cisalhamento na interface com a atuação de tensão normal utilizando um aparato de ensaio acoplado a uma prensa universal. Os resultados obtidos demonstraram que a temperatura, a tensão normal e o tratamento realizado na interface apresentam correlação com a resistência ao cisalhamento e o módulo de reação ao cisalhamento. Também, que os valores destes são mais elevados quando da aplicação de imprimação e pintura de ligação, em baixas temperaturas e com tensão normal elevada. Para as condições estudadas nesta pesquisa, considerando os valores de referência para o módulo de reação ao cisalhamento encontrados na literatura internacional, foi obtido o indicativo de que a condição de interface não aderida é aquela que melhor representa a possível condição de campo.</p> 2022-10-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Renan Gustavo Scherer, Deividi da Silva Pereira, Luciano Pivoto Specht, Lucas Dotto Bueno https://revistatransportes.org.br/anpet/article/view/2703 Desempenho mecânico de misturas asfálticas compostas por ligantes asfálticos modificados com óleo de girassol 2022-09-29T11:30:42-03:00 Jeovanesa Régis Carvalho jeovanesaregis@gmail.com Ablenya Grangeiro de Barros ablenyagb@gmail.com Adriano Elísio de Figueiredo Lopes Lucena lucenafb@uol.com.br Rita Flávia Régis Queiroz flaviarq18@gmail.com Daniel Beserra Costa daniel.beserra@gmail.com Antonio Leomar Ferreira Soares antonioleomar@msn.com Érika Vitória de Negreiros Duarte erika__vitoria@hotmail.com <p>Misturas Asfálticas Mornas (MAMs) referem-se a uma variedade de misturas asfálticas produzidas a temperaturas mais baixas do que as convencionalmente utilizadas para produzir misturas asfálticas a quente, que proporcionam ganhos econômicos, ambientais e sociais. Este estudo investigou as propriedades mecânicas das misturas asfálticas compostas por ligantes asfálticos modificados com óleo de girassol nos teores de adição de 1%, 2%, e 3%. Foram avaliadas a resistência à tração indireta, o módulo de resiliência, o dano por umidade induzida, o módulo dinâmico, a resistência à deformação permanente, e a vida de fadiga das misturas asfálticas mornas. Os resultados evidenciaram que o desempenho mecânico das misturas asfálticas compostas por ligantes asfálticos modificados com óleo reduziu em comparação com o da mistura com ligante asfáltico puro, apesar de todas serem adequadas para aplicação em camadas superficiais de pavimento de acordo com os atuais requisitos técnicos para misturas asfálticas. No entanto, as misturas asfálticas com ligantes modificados com óleo de girassol apresentaram uma maior adesividade, que indica uma menor susceptibilidade à ação deletéria da água do que a sua equivalente não modificada.</p> 2022-09-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Jeovanesa Régis Carvalho, Ablenya Grangeiro de Barros, Adriano Elísio de Figueiredo Lopes Lucena , Rita Flávia Régis Queiroz, Daniel Beserra Costa, Antonio Leomar Ferreira Soares, Érika Vitória de Negreiros Duarte