Estudo dos efeitos de produtos rejuvenescedores no comportamento físico, químico e reológico de ligante asfáltico envelhecido

João Paulo Souza Silva, Márcio Muniz de Farias

Resumo


A reciclagem é um tema que vem ganhando espaço em diversas áreas da engenharia. Quando se reutiliza um material em obras civis, indiretamente há uma contribuição para a preservação da natureza. Dentro deste contexto, a reciclagem de revestimentos asfálticos é um assunto que desperta grande interesse, mas que requer estudos mais aprofundados. Assim, este trabalho tem como objetivo estudar os efeitos de produtos rejuvenescedores sobre o comportamento do ligante asfáltico envelhecido, para possível aplicação na reciclagem de revestimentos de pavimentos asfálticos. Inicialmente foi extraído o ligante residual e, em seguida, foram adicionados rejuvenescedores a base de alcatrão (RejuvaSeal) e outro a base de óleo de xisto, comercialmente conhecido como AR-5, AR-250 e AR-500, nas taxas de 15, 20 e 25%, a fim de verificar qual a porcentagem seria apropriada para recuperar as características originais do ligante envelhecido. Dentre as principais conclusões encontradas neste estudo, destaca-se que a mistura contendo 20% de AR-5 apresenta o melhor desempenho físico e mecânico quando comparada a uma mistura contendo ligante asfáltico novo (CAP 50-70).


Palavras-chave


Reciclagem e rejuvenescimento de ligante asfáltico. Reologia. Análises químicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY AND TRANSPORTATION OFFICIALS. AASHTO M 332: Standard Specification for Performance-Graded Asphalt Binder Using Multiple Stress Creep Recovery (MSCR) Test. Washington, D.C., 2014.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM D 4402. Standard Practice for Recovery of Asphalt from Solution Using the Rotary Evaporator. American Society for Testing and Materials. 1995.

Bonfim, V. & Domingues, F. A. A. “Utilização de Fresagem e Reciclagem “In Situ” a Frio. Alternativas na Recuperação de Pavi-mentos Asfálticos”. In: 29a Reunião Anual de Pavimentação, Volume 3, Cuiabá, MT, 1995.

CNT. Pesquisa rodoviária 2018: relatório gerencial. Brasília: In: Confederação Nacional do Transporte, 2018.

Corbett, L.W (1969). Composition of asphalt based on generic fractionation using solvent deasphalting, elution – adsorption chromatography and densimetric characterization. In. Anais. Chem., v.41, p.576. 1969. DOI: 10.1021/ac60273a004

DNC. Portaria DNC nº44. Departamento Nacional de Combustíveis, 1997.

Gaestel, C.; R. Shadja, e K.A. Lamminan. Contribution à la connaissance des proprietés dês bitumes routiers. Bull. Laboratoire des Ponts e Chausées. v.466, p.85-97.1971.

Fwa, T. F. Evaluation of Engineering Benefits of RJSeal Report preparated for Kalvani International Pte Ltd. Departmet of Civil Engineering. National University of Singapore, 2006.

Glita S. Contribuition à l’étude physico-chimie dês bitumes. Havre. Thèse (Doctorat em Sciences) – Faculté des Sciences et Techniques del’Université du Havre.1988.

IBGE. Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2017. Disponível em www.ibge.gov.br. Acesso em 01 outubro de 2017.

Jennings, P. W. e J.A. Pribanic. Binder Characterization and Evaluation by Nuclear Magnetic Resonance Spectroscopy. Final Report Strategic Highway Research Program SHRP-A-335, p. 150. 1991.

Lima, A.T. Caracterização Mecânica de Misturas Asfálticas Recicladas a Quente. Dissertação de mestrado em Engenharia de Transportes. Programa de Mestrado em Engenharia de em Engenharia de Transportes, Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2003.

Mah, V. (2008) Concept of P4 – Perpetual Pavement Presentation Process. PRI- Pavement Rejuvenation International. Disponível em: http://www.rejuvaseal.com.hk/news/wp-content/uploads/2008/01/concept-of-p4-perpetual-paviment-presentation-process.pdf. Acesso em 07/03/2008.

Rejuvaseal (2010). Composition of ”Rejuvaseal”. Technical Specifications for Application of RejuvaSeal. Disponível em: http://www.rejuvaseal.com.hk/news/wp-content/uploads/2010/01/technical-standard-of-rejuvaseal-in-china.pdf. Acesso em 14/02/2010.

Shakirullah, M.; I. Ahmad; H. Rahman; M.A. Khan.; M. Ishaq e A.A. Shah (2006). Spectral Analysis of Some Distillates From Asphalt Cracking and Evaluation of UTIMAC as Cracking Catalyst. Journal of the Chinese Chemical Society, vol. 53, n.1, p. 1059-1066. DOI: 10.1002/jccs.200600141

Shell. SHELL Bitumen Handbook. SHELL, Inglaterra.2003.DOI: 10.1680/tsbh.58378.001

Silva, L. S. Contribuição ao estudo do envelhecimento de ligantes asfálticos. Influência na adição de polímeros e comporta-mento frente a radiação UV. Tese de Doutorado em Engenharia. UFRGS, Porto Alegre, 2005.

Silva, J.P.S.; M.M, Farias e A.M.G, Jiménez. “Avaliação do Efeito Selante de Agente Rejuvenescedor em Misturas Asfálticas”. In: 20º Encontro de Asfalto, IBP Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Rio de Janeiro, Brasil. Maio de 2010.

Silva, J.P.S. Avaliação dos efeitos de produtos rejuvenescedores em misturas asfálticas. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Geotecnia. Universidade de Brasília. 2011.

Silva, J.P.S e M.M. Farias. (2018). Avaliação quı́mica e ambiental de misturas asfálticas rejuvenescidas. Revista Matéria – UFRJ. v.23 n. 03, p.1-15. DOI: doi.org/10.1590/s1517-707620180003.0523

Zaumanis, M; R. B. Mallick e Frank, R. (2014). 100% recycled hot mix asphalt: A review and analysis. Resources, Conservation and Recycling, v. 92, p. 230-245, 2016. DOI: 10.1016/j.resconrec.2014.07.007.

Zubaran, M. Avaliação do comportamento de misturas asfálticas recicladas mornas em laboratório e usina de asfalto. 2014. 151p. Dissertação (Mestrado em Ciências em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v28i3.1874

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Joao Paulo Souza Silva, Márcio Muniz Farias

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.