Método para definição de rede de rotas cicláveis em áreas urbanas de cidades de pequeno porte: um estudo de caso para a cidade de Bariri-SP

Marcelo Monari, Paulo Cesar Lima Segantine

Resumo


Neste trabalho é apresentado um método para definição de rede de rotas cicláveis em áreas urbanas de cidades de pequeno porte. As rotas cicláveis são identificadas de maneira a minimizar a somatória das impedâncias dos segmentos viários que promovem a ligação entre pares origem-destino de interesse ao transporte cicloviário. Estas impedâncias são calculadas considerando-se, para cada segmento, suas respectivas avaliações globais do nível de estresse para ciclistas, e fatores relacionados à declividade e à existência ou possibilidade de inserção de infraestruturas cicloviárias. O estudo de caso, conduzido à cidade de Bariri-SP, mostrou a viabilidade de aplicação do método proposto, permitindo a identificação de 35 rotas cicláveis compostas principalmente por segmentos viários com pequenas declividades e boas avaliações globais do nível de estresse. A reincidência destas rotas permitiu a definição de uma rede composta por 19 eixos viários potencialmente cicláveis distribuídos ao longo de toda a área de estudo.


Palavras-chave


Bicicleta; Transporte cicloviário; Rotas cicláveis; Cidade de pequeno porte; Nível de estresse.

Texto completo:

PDF

Referências


AASHTO (1999) Guide for the Development of Bicycle Facilities. Association of State Highway and Transportation Officials, Washington D. C, USA.

ANTP (2016) Sistema de Informações da Mobilidade Urbana: Relatório Geral 2014. Associação Nacional de Transportes Públicos. Disponível em: http://files.antp.org.br/2016/9/3/sistemasinformacao-mobilidade--geral_2014.pdf. Acesso em: 11 dez. 2016.

CTB (2010) Código de Trânsito Brasileiro (4ª ed.). Ed. Câmara, Brasília, DF. Disponível em: http://bd.camara.gov.br. Acesso em: 15 nov. 2017.

Dixon, L. B. (1996) Bicycle and Pedestrian Level of Service Performance Measures and Standards for Congestion Management Systems. Transportation Research Record, v. 1538, p. 1-9. DOI: 10.3141/1538-01.

DNIT (2006). IPR-723 - Manual de Estudos de Tráfego. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Rio de Janeiro.

DNIT (2010) IPR-740 - Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Rio de Janeiro.

FGSV (2001). Handbuch für die Bemessung von Strassenverkehrsanlagen. Forschungsgesellschaft für Straßen und Verkehrswesen, Colonia, Alemanha.

Furth, P. G. e M. C. Mekuria (2013) Network Connectivity and Low-Stress Bicycling. Transportation Research Board 92th Annual Meeting Compendium of Papers, n. 13, p. 427-450.

GEIPOT (2001) Manual de Planejamento Cicloviário. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes. Ministério dos Transportes, Brasília, DF.

Harkey, D. L.; D. W. Reinfurt; M. Knuiman; J. R. Stewart e A. Sorton (1998) Development of a Bicycle Compatibility Index: A Level of Service Concept. Transportation Research Record, v. 1636, p. 13-20. DOI: 10.3141/1636-03.

IBGE (2016) Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil (2ª ed.). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Geociências, Rio de Janeiro. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99700.pdf. Acesso em: 14 abr. 2017.

Kirner, J. (2006) Proposta de um Método para a Definição de Rotas Cicláveis em Áreas Urbanas. Dissertação (mestrado). Programa de Mestrado em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

Klobucar, M. S. e J. D. Fricker (2007) Network Evaluation Tool to Improve Real and Perceived Bicycle Safety. Transportation Research Record, v. 2031, p. 25-33. DOI: 10.3141/2031-04.

Larsen, J. e A. El-Geneidy (2011) A travel behavior analysis of urban cycling facilities in Montreal, Canada. Transportation Research Part D, n. 16, p. 172-177. DOI: 10.1016/j.trd.2010.07.011.

Lowry, M.; D. Callister; M. Gresham e B. Moore (2012) Assessment of cummunitywide bikeability with bicycle level of service. Transportation Research Record, v. 2314, p. 41-48. DOI: 10.3141/2314-06.

LTSA (2004) Cycle Network and Route Planning Guide. Land Transport Safety Authority, New Zealand.

Magalhães, J. R. L.; V. B. G. Campos e R. A. M. Bandeira (2015) Metodologia para identificação de redes de rotas cicláveis em áreas urbanas. The Journal of Transport Literature, v. 9, n. 3, p. 35-39. DOI: 10.1590/2238-1031/jtl.v9n3a7.

McDaniel, S.; M. B. Lowry e M. Dixon (2014) Using Origin-Destination Centrality to Estimate Directional Bicycle Volumes. Transportation Research Board 93th Annual Meeting Compendium of Papers, v. 2430, p. 12-19. DOI: 10.3141/2430-02.

Mekuria, M. C.; P. G. Furth e H. Nixon (2012) Low-Stress Bicycling and Network Connectivity. Mineta Transportation Institute, Report 11-19, Mineta, USA.

MINISTÉRIO DAS CIDADES (2007) Programa Brasileiro de Mobilidade por Bicicleta - Bicicleta Brasil. Caderno de Referência para Elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Ministério das Cidades, Brasília, DF.

Pettinga, A. et al. (2009) Cycling-Inclusive Policy Development: A Handbook. Federal Ministry for Economic Cooperation and Development, Utrecht, Holanda.

Richardson, R. J. (1999) Pesquisa Social – Métodos e Técnicas (3ª ed.). Ed. Atlas, São Paulo.

Segadilha, A. B. P. (2014) Identificação dos fatores que influenciam na escolha da rota pelos ciclistas: estudo de caso da cidade de São Carlos. Dissertação (mestrado). Programa de Mestrado em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

Sorton, A. e T. Walsh (1994) Bicycle Stress Level as a Tool to Evaluate Urban and Suburban Bicycle Compatibility. Transportation Research Record, v. 1438, p. 17-24.

Sousa, I. C. N. e S. P. Sanches (2015) Proposta de procedimentos para definição de redes cicloviárias em cidades de porte médio. Anais do XXIX Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes da ANPET, v.1, p. 1682-1685.

Tavares, D. M. (2011) Método para análise de polos geradores de viagens utilizando ferramentas de microssimulação. Dissertação (mestrado). Programa de Mestrado em Transportes, Universidade de Brasília. Brasília, DF.

TRB (2010) Highway Capacity Manual. Transportation Research Board. National Research Council, Washington D. C., EUA.

Tucker, B. e K. Manaugh (2016) Whose bike lanes? Access to safe Cycling routes across neighborhoods in Rio de Janeiro and Curitiba. Transportation Research Board 95th Annual Meeting Compendium of Papers, n. 16, p. 4013-4030.

Winters, M.; K. Teschke; M. Grant; E. M. Setton e M. Brauer (2010) How far out the way will we travel? Built environmental influences on route selection for bicycle and car travel. Transportation Research Record, v. 2190, p. 1-10. DOI: 10.3141/2190-01.




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v27i2.1648

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Marcelo Monari, Paulo Cesar Lima Segantine

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.