Um índice de acessibilidade dos aeroportos que incorpora usuários com diferentes restrições de mobilidade

Autores

  • Lígia Gesteira Coelho Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de São Carlos
  • Antônio Nélson Rodrigues da Silva Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.4237/transportes.v20i3.596

Resumo

O objetivo desse trabalho foi a criação de um índice de acessibilidade a aeroportos que considera vários grupos de usuários, incluindo estrangeiros e indivíduos com diferentes restrições de mobilidade. O método tem início com uma seleção de indicadores. Estes são agrupados de acordo com o modo de transporte disponível para acesso ao aeroporto: táxi, carona, automóvel próprio, automóvel de aluguel, ônibus regional e ônibus especial. Os indicadores são avaliados através de pesquisas e levantamentos de campo e recebem notas de acordo com o seu desempenho. Por fim, os escores dos indicadores são ponderados e uma nota final pode ser calculada para cada aeroporto. O maior valor encontrado em uma aplicação do índice a seis importantes aeroportos brasileiros foi 0,625 (em uma escala que vai de zero a um), no aeroporto Santos Dumont. Isto evidencia que há muitos aspectos a serem melhorados no que diz respeito à acessibilidade aos aeroportos no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, B. B. (2005) A importância da variabilidade do tempo de viagem no acesso terrestre a aeroportos: estudo de caso do Aeroporto Internacional André Franco Montoro. Dissertação de Mestrado, EPUSP, São Paulo.

ABNT (1999) NBR 14273: Acessibilidade da pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro.

Braga, A. F. e E. P. Guedes (2008) Proposta de Cálculo da Acessibilidade em Aeroportos com o uso de Sistema de Informações Geográficas. Anais do XXII Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, ANPET, Fortaleza-CE.

Caves, R. E. e G. D. Gosling (1999) Strategic Airport Planning. 1. ed. Oxford: Elsevier Science Ltd.

Clark, M. C. e W. H. K. Lam (1990) Airport ground access considerations. Airports into the 21st Century. Hong Kong Institution of Engineers, Hong Kong, 5-7, Fevereiro.

Gosling, G. D. (1997) Airport Ground Access and Intermodal Interface. Transportation Research Record, Washington DC, n1600, pp. 10-17

Gosling, G. D. (2008) Airport Ground Access Mode Choice Models, a synthesis of airport practice. Airport Cooperative Research Program synthesis 5, Transport Research Board, disponível em: http://onlinepubs.trb.org/onlinepubs/acrp/acrp_syn_005.pdf

Harvey, G. (1986) Study of airport access mode choice. Journal of transportation Engineering. 112 (5), 525-545.

Koster, P., E. Kroes e E. T. Verhoef, (2010) Travel Time Variability and Airport Accessibility. Tinbergen Institute Discussion Paper. TI 2010-061/3.

Kouwenhoven, M. (2008) The Role of Accessibility in Passengers’ Choice of Airports, OECD. Discussion Paper No. 2008-14, Paris.

Kouwenhoven, M., E. Kroes e J. Veldhuis (2008) Forecasting the impacto f a ticket tax in the Netherlands. European Transport Conference, Noordwijk.

Mamede, D. A. e C. J. P. Alves (2009) Estudo sobre a acessibilidade de aeroportos no Brasil. Anais do 15º Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA – XV ENCITA / 2009. Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 19 a 22.

McKinsey & Company (2010) Estudo do Setor de Transporte Aéreo do Brasil: Relatório Consolidado. Rio de Janeiro.

Monteiro, A. B. e M. Hansen (1996) Improvements to Airport Ground Access and Behavior of Multiple Airport System: BART Extension to San Francisco International Airport. Transportation Research Record, Washington DC, n.1562, pp. 38-47.

Skinner, R. E. (1976) Airport choice: an empirical study. Transportation Engineering Journal, 102 (4), 871-882

Downloads

Publicado

2012-12-20

Como Citar

Coelho, L. G., & Rodrigues da Silva, A. N. (2012). Um índice de acessibilidade dos aeroportos que incorpora usuários com diferentes restrições de mobilidade. TRANSPORTES, 20(3), 41–50. https://doi.org/10.4237/transportes.v20i3.596

Edição

Seção

Artigos