Caracterização espacial da acessibilidade ao trabalho formal e informal da população de baixa renda em Fortaleza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/transportes.v30i1.2546

Palavras-chave:

Acessibilidade ao trabalho, Informalidade, Desigualdades socioespaciais

Resumo

Em Fortaleza, tem-se observado um crescimento das desigualdades socioespaciais na acessibilidade às oportunidades de trabalho. Não se sabe, entretanto, o impacto do mercado de trabalho informal nessas desigualdades. Portanto, o objetivo geral deste artigo é caracterizar espacialmente as diferenças nos níveis de acessibilidade ao trabalho formal e informal da população de baixa renda em Fortaleza. Inicialmente, estimou-se a distribuição espacial dos indivíduos de baixa renda e das oportunidades de empregos formais e informais direcionadas a eles. Em seguida, mensurou-se os níveis de acessibilidade a cada tipo de emprego através da seleção de um indicador que buscasse incorporar a competitividade por essas oportunidades de trabalho. Finalmente, comparou-se as diferenças observadas, buscando avaliar como essas variam sobre o território. As análises corroboraram a hipótese de que os níveis de acessibilidade aos empregos informais da população de baixa renda são relativamente melhores que aos empregos formais. Também se verificou que, dentre os empregados informalmente, os trabalhadores domésticos estão sujeitos aos piores níveis de acessibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABEP (2017) Critério de classificação econômica Brasil. São Paulo: Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa.

Andrade, B. R. et al. (2020) ‘Efeitos da periferização nos níveis de acessibilidade aos empregos da população de baixa renda em Fortaleza’, Transportes, 28(3), pp. 46–60. DOI: 10.14295/transportes.v28i3.1810

Barboza, M. H. et al. (2021) ‘Balancing time: Using a new accessibility measure in Rio de Janeiro’, Journal of Transport Geogra-phy, 90, pp. 102924. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2020.102924

Boisjoly, G.; A. I., Moreno-Monroy e El-Geneidy, A. (2017) ‘Informality and accessibility to jobs by public transit: Evidence from the São Paulo metropolitan region’, Journal of Transport Geography, 64, pp. 89–96. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2017.08.005

Borges, W. A.e Rocha, M. M. (2004) ‘A compreensão do processo de periferização urbana no Brasil por meio da mobilidade centrada no trabalho’, Geografia, 29(3), pp. 383–400. Disponível em: <https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/article/view/936/870> (acesso em 09/03/2022)

CSO/India (1999) Expert group on informal sector statistics (Delhi Group), report of the third meeting (17-19 May 1999). New Delhi: Central Statistical Organisation.

Funkhouser, E. (1996) ‘The urban informal sector in Central America: Household survey evidence’, World Development, 24(11), pp. 1737–1751. DOI: https://doi.org/10.1016/0305-750X(96)00074-5

Castro, I. R. (2019) Compreensão das mudanças no uso do solo e na acessibilidade ao trabalho da população de baixa renda em Fortaleza. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50146> (acesso em: 09/03/2022

Galli, R. e Kucera, D. (2004) ‘Labor standards and informal employment in Latin America’, World Development, 32(5), pp. 809–828. DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2003.11.005

Guzman, L. A. e Oviedo, D. (2018) ‘Accessibility, affordability and equity: Assessing ‘Pro-Poor’ public transport subsidies in Bogotá’, Transport Policy, 68, pp. 37–51. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tranpol.2018.04.012

1016/j.jtrangeo.2015.12.004

Hernandez, D.; Hansz, M. e Massobrio, R. (2020) ‘Job accessibility through public transport and unemployment in Latin America: The case of Montevideo (Uruguay)’, Journal of Transport Geography, 85, pp. 102742. DOI: 10.1016/j.jtrangeo.2020.102742

Hussmanns, R. (2004) Defining and measuring informal employment. Geneva: International Labour Office.

Kain, J. F. (1969) ‘Housing segregation, negro employment, and metropolitan decentralization’, The Quarterly Journal of Eco-nomics, 82(2), pp. 175–197. DOI: https://doi.org/10.2307/1883085

Lima, L. S. (2017) Espraiamento urbano por autossegregação e seus impactos na acessibilidade urbana de Fortaleza. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Dis-ponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/30015> (acesso em: 09/03/2022)

Lima, L. S. et al. (2021) ‘Espraiamento urbano e seus impactos nas desigualdades socioespaciais da acessibilidade ao traba-lho em Fortaleza’, Transportes, 29(1), pp. 229-246. DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v29i1.2348

Maloney, W. F. (1999) ‘Does informality imply segmentation in urban labor markets? Evidence from sectoral transitions in Mexico’, The World Bank Economic Review, 13(2), pp. 275–302. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/3990099> (acesso em: 09/03/2022)

Marcoullier, D.; Ruiz de Casilla, V. e Woodruff, C. (1997) ‘Formal measures of the informal-sector wage gap in Mexico, El Sal-vador, and Peru’, Economic Development and Cultural Change, 45(2), pp. 367–392. DOI: https://doi.org/10.1086/452278

Moreno-Monroy, A. I. e Posada, H. M. (2018) ‘The effect of commuting costs and transport subsidies on informality rates’, Journal of Development Economics, 130, pp. 99–112. DOI: 10.1016/j.jdeveco.2017.09.004

Moreno-Monroy, A. I. e Ramos, F. R. (2020) ‘The impact of public transport expansions on informality: The case of the São Paulo metropolitan region’, Research in Transportation Economics, 88, pp. 100928. DOI: https://doi.org/10.1016/j.retrec.2020.100928

Motte, B. et al. (2016) ‘Commuting patterns in the metropolitan region of Rio de Janeiro. What differences between formal and informal jobs?’, Journal of Transport Geography, 51, pp. 59–69. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2015.10.019

OIT (2003) Guidelines concerning a statistical definition of informal employment. Genebra: Seventeenth Conference of La-bour Statisticians.

Pinto, D. G. L. (2020) Compreensão das desigualdades socioespaciais na acessibilidade ao trabalho formal e informal em Fortaleza. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/53751> (acesso em: 09/03/2022)

Pereira, R. H. M. et al. (2019) Desigualdades socioespaciais de acesso a oportunidades nas cidades brasileiras. Texto para Discussão Ipea, v. 2535.

PMF (2020) PASFOR – Plano de Acessibilidade Sustentável de Fortaleza e sua Área de Influência (RT04 – Compreensão da Problemática – Diagnóstico). Fortaleza: Prefeitura Municipal de Fortaleza.

Portes, A.; Blitzner, S. e Curtis, J. (1986) ‘The urban informal sector in Uruguay: Its internal structure, characteristics, and effects’, World Development, 14(6), pp. 727–741. DOI: https://doi.org/10.1016/0305-750X(86)90015-X

Saavedra, J. e Chong, A. (1999) ‘Structural reform, institutions and earnings: Evidence from the formal and informal sectors in urban Peru’, Journal of Development Studies, 35(4), pp. 95–116. DOI: https://doi.org/10.1080/00220389908422582

Sousa, F. F. L. M. (2019) Diagnóstico estratégico das desigualdades socioespaciais ao trabalho em Fortaleza. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/51535> (acesso em: 09/03/2022)

Downloads

Publicado

07-04-2022

Como Citar

Garcia Lopes Pinto, D. ., Grangeiro Loureiro, C. F. ., Franco Leite de Matos Sousa, F. ., & Motte-Baumvol, B. . (2022). Caracterização espacial da acessibilidade ao trabalho formal e informal da população de baixa renda em Fortaleza . TRANSPORTES, 30(1), 2546. https://doi.org/10.14295/transportes.v30i1.2546