Rodoviário, ferroviário ou marítimo de cabotagem? O uso da técnica de preferência declarada para avaliar a intermodalidade no Brasil

Antônio Galvão Novaes, Brunno Santos Gonçalves, Maria Beatriz Costa, Silvio dos Santos

Resumo


A modelagem da demanda de transporte de carga no Brasil ainda é pouco difundida, principalmente devido às dificuldades para obtenção de dados acerca do setor. A utilização da Técnica de Preferência Declarada vem consolidando-se como uma ferramenta bastante eficiente para a coleta de dados e posterior utilização em modelos de divisão modal e alocação de demanda. Neste estudo, elaborou-se a partir da Técnica de Preferência Declarada uma metodologia para a modelagem da demanda de cargas de alto valor agregado brasileiras, buscando verificar na opinião de embarcadores, qual a importância relativa de determinados fatores, tais como, tarifa, confiabilidade, tempo, intervalo entre embarques e segurança, quando da escolha dos modos de transporte, rodoviário, ferroviário ou marítimo de cabotagem.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v14i2.64

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2006 Antônio Galvão Novaes, Brunno Santos Gonçalves, Maria Beatriz Costa, Silvio dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.