Modelo de localização ótima de estações ferroviárias: A futura linha de alta velocidade Lisboa-Porto

Hugo M. Repolho, António Pais Antunes, Richard L. Chucrch

Resumo


Nas últimas décadas assistiu-se ao renascimento do transporte ferroviário, estando previstos investimentos avultados nos próximos anos, especialmente no que respeita à alta velocidade. O sucesso deste tipo de investimentos depende fortemente do volume de passageiros captados, o qual depende por sua vez do número e localização das estações ferroviárias. Este artigo apresenta um modelo de otimização inteiro-misto para determinar o número e localização ótimos das estações intermédias de uma linha de trens de alta velocidade. As estações são escolhidas de entre um conjunto de locais possíveis definidos a priori com o objetivo de maximizar a diminuição dos custos de viagens. O modelo tem em conta a sensibilidade da procura ao tempo de viagem perdido nas paragens intermédias, bem como a competição com modos de transporte alternativos. A utilidade prática do modelo é ilustrada através de uma aplicação à futura linha de alta velocidade Lisboa-Porto.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4237/transportes.v20i3.555

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2012 Hugo M. Repolho, António Pais Antunes, Richard L. Chucrch

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.