Análise exploratória de dados de viagens pendulares visando a definição de regiões urbanas homogêneas

Larissa Limongi Aguiar, Gustavo Garcia Manzato

Resumo


O trabalho proposto visa fornecer novos subsídios à questão da definição de Regiões Urbanas Homogêneas (RUHs), testando a viabilidade de uma variável ainda não explorada no Brasil: a mobilidade pendular. Para tanto, um estudo de caso foi desenvolvido no estado de São Paulo. Com a aplicação de técnicas de estatística espacial sobre os dados de viagens de entrada e de saída observados nos municípios e a construção de Box Maps, foi possível confrontar os resultados com a delimitação das RUHs oficiais. Os resultados obtidos traduzem as inter-relações dos municípios dentro das RUHs, uma vez que as áreas atrativas aparecem margeadas por áreas periféricas e destacam importantes centros regionais, que podem futuramente constituir núcleos de aglomerações urbanas.


Palavras-chave


Regiões Urbanas Homogêneas, Viagens Pendulares, Estatística Espacial.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, L. L.; G. G. Manzato e A. N. Rodrigues da Silva (2017) Patterns of commuting flows for delimitating Functional Urban Regions in the state of São Paulo, Brazil. Proceedings of the 15th International Conference on Computers in Urban Planning and Urban Management (CUPUM), Adelaide, Austrália.

Ajauskas, R.; G. G. Manzato e A. N. Rodrigues da Silva (2012) The Definition of Functional Urban Regions: Validation of a Set of Spatial Models with Recent Census Data and Analysis of an Additional Model Specification. Proceedings of CAMUSS, the International Symposium on Cellular Automata Modeling for Urban Spatial Systems, Porto, Portugal, p. 91-104.

Anselin, L. (1995) Local Indicators of Spatial Association – LISA. Geographical Analysis, v. 27, p. 93-115. DOI:10.1111/j.1538-4632.1995.tb00338.x.

Arellano Ríos, A. (2014a) La definición jurídica del fenómeno metropolitano en el ámbito subnacional mexicano. Opinión Jurídica, v. 13, n. 26, p. 91-108.

Arellano Ríos, A. (2014b) La coordinación metropolitana en el ámbito subnacional mexicano: un análisis institucional. Documentos y Aportes en Administración Pública y Gestión Estatal (DAAPGE), v. 14, n. 23, p. 33-70.

Arellano Ríos, A. (2015) Metropolitan Coordination in Mexico. Current Urban Studies, v. 3, p. 11-17. DOI:10.4236/cus.2015.31002

Bereitschaft, B. e K. Debbage (2014) Regional Variations in Urban Fragmentation among U.S. Metropolitan and Megapolitan Areas. Applied Spatial Analysis and Policy, v. 7, p. 119-147. DOI:10.1007/s12061-013-9092-9.

Bode, E. (2008) Delineating metropolitan areas using land prices. Journal of Regional Science, v. 48, n. 1, p. 131-163. DOI:10.1111/j.1467-9787.2008.00544.x.

Cano, W. (1988) Questão Regional e Urbanização no desenvolvimento econômico brasileiro pós 1930. Anais do VI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, p. 67-99.

Cheshire, P. C. e D. G. Hay (1989) Urban problems in Western Europe: an economic analysis. Unwin Hyman, London.

Coombes, P. P. e H. G. Overman (2004) The spatial distribution of economic activities in the European Union. In: J. V. Henderson e J. F.

Thisse (eds.) Handbook of Urban and Regional Economics: Cities and Geography. North Holland, Amsterdam, v. 4, p. 2845-2909.

Cunha, J. M. P. e E. Miglioranza (2006) Valinhos: um novo padrão de cidade-dormitório? Novas Metrópoles Paulistas- População, vulnerabilidade e segregação (1ª ed.). NEPO/UNICAMP, p. 539-560.

Cunha, J. M. P.; S. Stoco e E. Dota (2013) O fenômeno da mobilidade pendular na Macrometrópole do Estado de São Paulo: uma visão a partir das quatro Regiões Metropolitanas oficiais. Projeto mobilidade pendular na Macrometrópole - NE-PO/UNICAMP - EMPLASA. Disponível em: http://www.emplasa.sp.gov.br/emplasa/RELATORIO-PENDULARIDADE-UNICAMP-06-02-2013.pdf. Acessado em 10 de abril de 2014.

Debbage, N.; B. Bereitschaft e J. M. Shepherd (2017) Quantifying the Spatiotemporal Trends of Urban Sprawl Among Large U.S. Metropolitan Areas via Spatial Metrics. Applied Spatial Analysis and Policy, v. 10, p. 317–345. DOI:10.1007/s12061-016-9190-6.

Dias, R. S.; G. G. Manzato e A. N. Rodrigues da Silva (2014). A capacidade de infraestrutura rodoviária e sua relação com o processo de metropolização. Anais do XXVIII Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, Curitiba, Brasil.

Gouvêa, R. G. (2005) A questão metropolitana no Brasil. FGV, Rio de Janeiro.

Huang, X.; Q. Lu e L. Zhang (2014) A Multi-index Learning Approach for Classification of High-Resolution Remotely Sensed Images over Urban Areas. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 90, p. 36-48. DOI:10.1016/j.isprsjprs.2014.01.008.

IBGE (2010) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/

Kauffmann, A. (2012) Delineation of city regions based on commuting interrelations: The example of large cities in Germany. IWH-Diskussionspapiere, n. 2012,4. Disponível em: http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:101:1-201212176768.

Manzato, G. G. e A. N. Rodrigues da Silva (2006) Incorporando um indicador de oferta de infraestrutura de transportes na definição de regiões metropolitanas. Anais do XX Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, Brasília, Brasil, v. 1, p. 341-352.

Manzato, G. G. e A. N. Rodrigues da Silva (2007) Uma estrutura conceitual para a definição de regiões urbanas homogêneas. Anais do XXI Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, Rio de Janeiro, Brasil.

Manzato, G. G. e A. N. Rodrigues da Silva (2010) Spatial-temporal combination of variables for monitoring changes in metro-politan areas. Applied Spatial Analysis and Policy, v. 3, n. 1, p. 25-44. DOI:10.1007/s12061-009-9028-6.

Manzato, G. G.; A. J. Soares e A. N. Rodrigues da Silva (2006) Aglomerações urbanas e oferta de transportes no estado de São Paulo, Brasil. Anais do 2º Congresso Luso-Brasileiro para o Planejamento Urbano Regional Integrado Sustentável, Braga, Portugal.

Manzato, G. G.; I. Baria e A. N. Rodrigues da Silva (2007) A GIS-based comparison of methodologies for the definition of metropolitan areas in a developing country. Proceedings of the 10th International Conference on Computers in Urban Planning and Urban Management, Foz do Iguaçu, Brasil.

Moura, R. e I. Carvalho (2012) Estatuto da Metrópole: onde está a região metropolitana?. Observatório das Metrópoles, Disponível em: http://observatoriodasmetropoles.net/index.php?option=com_k2&view=item&id=455%3Aestatuto-da-metr%C3%B3pole-onde-est%C3%A1-a-regi%C3%A3o metropolitana%3F&Itemid=165〈=pt. Acessado em 15 de abril de 2014.

Niemeyer, J.; F. Rottensteiner e U. Soergel (2014) Contextual Classification of Lidar Data and Building Object Detection in Urban Areas. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 87, p. 152-165. DOI:10.1016/j.isprsjprs.2013.11.001.

Observatório das Metrópoles (2013) Banco de dados de movimento pendular - Municípios Brasileiros. Disponível em: http://www.observatoriodasmetropoles.net/index.php?option=com_content&view=article&id=152&Itemid=155〈=pt. Acessado em: 14 de janeiro de 2014.

Office of Management and Budget (2000) Standards for defining metropolitan and micropolitan statistical areas. Federal Register, v. 65, n. 249, December 27, 2000.

Pereira, H. T. S. e A. N. Rodrigues da Silva (2010) Comparing spatial analysis methods for the definition of Functional Urban Regions - The case of Bahia, Brazil. Proceedings of the 10th International Conference on Design and Decision Support Systems in Architecture and Urban Planning, Eindhoven, The Netherlands.

Ramos, R. A. R. e A. N. Rodrigues da Silva (2003) A data-driven approach for the definition of metropolitan regions. Proceed-ings of the 8th International Conference on Computers in Urban Planning and Urban Management, Sendai, Japan.

Ramos, R. A. R. e A. N. Rodrigues da Silva (2007) A spatial analysis approach for the definition of metropolitan regions - the case of Portugal. Environment and Planning B: Planning and Design, v. 34, n. 1, p. 171-185. DOI:10.1068/b31117.

Ramos, R. A. R.; A. N. Rodrigues da Silva e V. P. Miranda (2004) A comparison of two methods for the definition of regional metropolitan areas through an application in the north of Portugal. Proceedings of the 44th European Congress of the Euro-pean Regional Science Association, Porto, Portugal.

Rodrigues da Silva, A. N.; G. G. Manzato e H. T. S. Pereira (2014) Defining Functional Urban Regions in Bahia, Brazil, using roadway coverage and population density variables. Journal of Transport Geography, v. 36, p. 79-88. DOI:10.1016/j.jtrangeo.2014.03.001.

Sahoo, S. N. e S. Pekkat (2014) Determination of urbanization based on imperviousness. Urban Design and Planning, v. 167, n. DP2, p. 49-57. DOI:10.1680/udap.13.00027.

Santos, M. (1990) Metrópole corporativa e fragmentada: O caso de São Paulo. São Paulo, Nobel, 1990.

Santos, S. P.; G. G. Manzato e A. N. Rodrigues da Silva (2014) Estratégias para a determinação da densidade populacional visando a definição de regiões urbanas homogêneas por meio de técnicas de análise espacial. Anais do 6º Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável, Lisboa, Portugal.

São Paulo (1989) Constituição do Estado de São Paulo. Governo do Estado de São Paulo. Disponível em: www.legislacao.sp.gov.br/legislacao/index.htm.

Weber, C. (2001) Urban agglomeration delimitation using remote sensing data. In: J. P. Donnay, M. J. Barnsley e P. A. Longley (eds.) Remote sensing and urban analysis. Taylor & Francis, London, p. 145-159.

Williams, A. M.; J. Foord e J. Mooney (2012) Human mobility in functional urban regions: understanding the diversity of mobilities. International Review of Sociology, v. 22, n. 2, p. 191-209. DOI:10.1080/03906701.2012.696961.




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v25i3.1305

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 Larissa Limongi Aguiar, Gustavo Garcia Manzato

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.